quarta-feira, 2 de outubro de 2013

 Breaking Bad- Análise  final- Por Diego J. (Spoilers do episódio final)

A algum tempo atrás eu vi o filme "Wall Street". Esse filme conta a história de um negociante novato do mercado de Wall Street (Charlie Sheen), que influenciado por um empresário inescrupuloso (Michael Douglas), começa a entrar em esquemas de manipulação de dados na bolsa, para ganhar muito dinheiro. O personagem de Michael Douglas, é o cúmulo da falta de caráter: ladrão, trapaceiro. Todos os fins justificam os meios pra ganhar dinheiro para ele. Mas... Ele é sofisticado, rico, e... interpretado por Michel Douglas no auge. Nos comentários do DVD, de forma interessante, tanto o diretor  Oliver Stone quanto Michael Douglas disseram que a reação das pessoas ao personagem não foi a esperada. As pessoas deveriam odiar o cara, e não foi isso que aconteceu, as pessoas queriam ser ele.


 Vivemos em tempos de GTA. Vivemos num tempo em que um vídeo game onde você é um criminoso, vende aos milhões. Todos nós, ou boa parte de nós, temos a fantasia de não precisar seguir as regras, não precisar seguir as leis, fazermos o que queremos, termos todo o dinheiro que quisermos. Mas todos nós também sabemos que na vida real, não é bem assim. Na vida real da maioria de nós, temos que seguir as leis, regras, e se quisermos alguma coisa do mundo material, se quisermos liberdade, primeiro temos que encarar anos e anos de prisão em algum emprego, faculdade, etc. Walter White era um criminoso e assassino, mesmo assim li e ouvi muitas pessoas o defenderem ao longo da série.  As pessoas gostavam dele e queriam que ele vencesse. Acredito que devido a identificação com aquela questão que eu falei. As pessoas conseguem se relacionar com o cara que chutou o balde e decidiu tomar tudo o que queria a força, porque na vida real elas queriam fazer isso mas não podem. SÓ QUE o detalhe é que isso é um modo de ver a coisa. Acredito que esse modo de ver a coisa não pode influenciar os roteiristas, os criadores, quem quer que esteja escrevendo a parada, e eu acho que isso aconteceu com Breaking Bad. Eu adoro a série, adorei o final. Mas depois conversando com um amigo, ele me disse: "Eles fizeram o que as pessoas queriam". E passada a empolgação, eu pensei... E não é que foi mesmo? Walter acabou mais uma vez sendo o fodão que chega e detona com tudo. E consegue seu objetivo, de entregar parte do dinheiro a seus filhos. Tudo bem, ele perdeu sua família, no sentido literal, e emocional, e morreu, mas...  Não importa, ele já estava condenado a morte desde o começo, o que ele queria era deixar dinheiro para os filhos, e conseguiu.  Quem sabe o que Breaking Bad queria mostrar, a mensagem final da série, seja essa, a de que quando você persegue o que quer por cima de tudo, podem acontecer consequências muito graves que você não queria, ou esperava. A mesma coisa aconteceu com Hank. O que ele queria mais do que tudo era prender Walt. Ele conseguiu, mas perdeu a vida. É como a musiquinha da princesa e o sapo: Conseguiram o que queriam, mas perderam o que tinham.  Eu não acho que seja interessante você ver as coisas com relação a justiça, com dois pesos e duas medidas. O que eu quero dizer com isso? Porque quando é numa série de ficção as pessoas torcem pelo criminoso, mas quando é na vida real, tem gente que quer "pena morte pros vagabundos"? "Cadeia pra os políticos corruptos? Porque todo mundo que ver os mensaleiros na cadeia, mas torce pelo Walter White e joga GTA?  Porque ninguém vai te condenar por apoiar, ou se identificar com um criminoso fictício não é?  Tenta chegar numa roda e dizer que apóia um político corrupto.  Na vida real somos vítimas de criminosos, assaltantes, ladrões, políticos, mas será que mais do que justiça contra os vilões do mundo real, não desejamos secretamente ser um deles? Só que no âmbito do real, nunca poderíamos admitir isso. Uma matéria recente divulgou finais alternativos de Breaking Bad, e em um deles, Walter via toda a sua família ser assassinada. 

Quem lembra dos dois últimos episódios, sabe que esse final era até bem possível, já que Lydia estava preocupada com o que Skyler iria falar pra polícia. Eu acho que o castigo foi pouco pra ele. Eu teria castigado ele mais .Acredito que os escritores se deixaram influenciar, talvez não completamente para o bem da série. Quando você escreve uma história, e cria um mundo, você é o responsável pela "Justiça divina" No mundo. Quem você pune e como você pune, e quem você absolve, vai dizer pra quem está vendo qual o seu senso de justiça, em que você acredita em última análise, e quem sabe, que tipo de justiça você gostaria que existisse na vida real. No mundo de ficção o autor decide se o crime compensa ou não. Ou ele pode deixar a questão em aberto ao espectador, para que decida. Só acho que no caso se Walter White, a balança acabou tendendo mais pra o lado de que valeu a pena tudo que ele fez. O que me fez pensar que os autores queriam passar isso como mensagem. Por isso, apesar de ter adorado a série, continuar sendo fã e admirador, eu teria feito diferente a mensagem final. Afinal, se Walter White existisse no mundo real, você não ia querer ver ele preso? Talvez até morto? Ele não pode escapar com a desculpa de ser um personagem de ficção.
DJ.   


Nenhum comentário:

Postar um comentário