sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

THE FORCE AWAKENS REVIEW- Diego J.

Finalmente! Chegamos a mais um passo na saga de Star Wars. A saga que você ama e acompanha desde criança finalmente chegou ao seu mais novo capítulo.

Aqui vão minhas impressões: (Lembrando que estou falando especificamente de roteiro)


Boas
- Acho que a coisa que eu mais gostei foi dos novos personagens. Acho que o grande mérito desse filme foi esse afinal de contras. Acho que nisso, eles não podiam errar de jeito nenhum e não erraram. Eu gostei dos novos personagens, me importei com eles. Rey e Finn apesar de bem diferentes, cumprem de forma bastante satisfatória o papel de protagonistas, de serem as âncoras emocionais do filme. Papel que antes era desempenhado quase que apenas por Luke. Eles têm defeitos, são humanos, tem problemas pessoais pra superar. Assim como Luke, eles tem que encontrar seu lugar nessa grande batalha cósmica.
-Adorei a forma como eles prestaram homenagens a vários elementos importantes de Star Wars, mas sem cair naquela "puxação de saco" exagerada que vimos por exemplo em relação a R2, nos episódios 1-3, onde ele chegou quase a ser condecorado. A forma como os personagens foram apresentados me emocionou. A Milenium Falcon sendo usada como segunda opção, por ser uma "lata velha", Han Solo de volta a sua vida de contrabadista, os destroyers e walkers enterrados na areia, O capacete retorcido de Darth Vader, a cena do bar com os alienígenas diferentes,  C3PO aparecendo de repente entre Han Solo e Leia... Tudo isso deu uma noção de continuidade, que as coisas do passado distante continuam a influenciar o mundo. Porém, como também acontece no mundo real, as gerações atuais esquecem rapidamente fatos da juventude de seus pais ou avós, até o ponto de achar que coisas que aconteceram sejam apenas lendas. Achei legal isso. Parece que no mundo de Star Wars as mdanças de panorama cultural acontecem tão rapidamente como no nosso.
-Gostei da forma que eles remodelaram (embora nem tanto assim) O Império, principalmente com um novo nome. Achei que era adequado para uma organização do mal, que quer se fazer passar por outra coisa, mas sendo a mesma de antes, mudar o nome. E eu adorei o nome "Primeira Ordem".
-Também gostei do que eles fizeram com o personagem do Kylo Ren, dar a ele uma insegurança acrescentou profundidade e deixou o personagem mais interessante na minha opinião. O modo como ele vê o "Lado bom" da força como uma contaminação, como algo que deve ser extirpado de dentro de si, Lembra  o modo como Luke via o Lado negro, do ponto de vista do Lado bom, e isso foi bem interessante. 


Ruins
O pior defeito do filme pra mim foi o fato de existirem 3 linhas narrativas que não se influenciam e não contribuem em quase nada uma com a outra. Aqui você tem:
-A busca pelo paradeiro de Luke
-A destruição da arma da "Primeira Ordem"
-A trama de Han Solo/ Kylo Ren.
Lembre- se que no Ep. 4 -Uma Primeira esperança, tudo era bem amarrado e as tramas se relacionavam perfeitamente-
-A recuperação doa dados em R2 / destruição da estrela da morte (Luta da Rebelião contra o império)
-A descoberta da Força por Luke.
- No Ep. 4 o objetivo era recuperar R2, pra extrair as leituras técnicas da estrela na Morte, descobrir uma fraqueza e contra atacar. Luke era necessário tanto para recuperar os dados quanto para destruir a estrela da Morte, e o fato de ele estar começando a aprender sobre a força foi fundamental para o cumprimeto da missão, tudo se relacionando e se interligando perfeitamente.
Em "O despertar da força", A trama da busca por Luke em nada influencia a trama da destruição da arma da Primeira Ordem.  São duas coisas que seguem totalmente em paralelo sem se encontrar. O fato de Han Solo ser pai de Kylo Ren também não tem muita influência no destino da batalha da rebelião contra a Primeira Ordem, nem na busca por Luke. Consequência disso, é que pouco antes da batalha final contra a nova e ampliada "Estrela da morte", numa rápida reunião, os rebeldes descobrem uma falha de segurança na estação que poderia ser aproveitada. Me desculpem, se estou esquecendo algum detalhe sobre isso, terei que ver o filme de novo pra me certificar.
Enquanto que no Ep. 04 , toda a busca do filme, nos levava aquele momento em que os dados em R2 seriam usados pra contra atacar. Em "O despertar da Força", o final da busca por Luke terminou com uma pergunta sem resposta, sendo que ficamos boa parte do filme resolvendo esse problema, enquando que o problema que foi resolvido, (A explosão do "Planeta da Morte") Teve pouco tempo de filme em desenvolvimento.
-Sobre a Morte de Han Solo, achei que poderia ter sido potencializado mais o momento. Poderia ter acontecido algo similar ao que vimos em "O retorno de Jedi", onde Darth Vader salva o filho traindo suas ordens, mas numa versão ao contrário, onde Han Solo salvaria Kylo, sabendo que ele é mau, por ele ser seu filho. Poderia ter acontecido também algo similar ao que vimos em Ep. 03, quando Anakin ataca Mace Windu, para slavar o Imperador, por seus interessas pessoais. Han Solo poderia ter matado ou ferido Outro personagem do bem, que estivesse ameaçando Kylo, para depois ser traído e morto por ele.
-Sei que em um filme como esse é inevitável que ocorram coincidências, já no Ep. 04 temos coincidências acontecendo que ajudam a história a andar, mas eu acho que em "O despertar da Força" Eles abusaram um pouco demais de coincidências no roteiro. Mesmo levando em consideração que segundo Obi Wan Kenobi "Não existe sorte" e tudo que acontece pode  ser considerado "desígnio da força". Temos o encontro dos protagonistas, Han Solo encontrando eles no meio do ESPAÇO (Um lugar bem grande), Han Solo e Finn dando de cara com Rey dentro de uma estação do tamanho de um PLANETA, e por ai vai.



-Me imcomodou um pouco o modo como Rey parecia tão boa no sabre de Luz a ponto de vencer Kylo. Isso esticou um pouco a baladeira pra mim. Ok, ele estava ferido, tudo bem, mas a briga era entre uma pessoa que NUNCA tinha usado um sabre de luz na vida, e um Sith TREINADO. Ela NUNCA tinha tido ensinamento nenhum sobre a força de nenhum mestre. Lembrem- se que mesmo Luke, já tinha começado a treinar antes de explodir a estrela da morte, e tinha treinado bem mais com Yoda antes de enfrentar Darh vader pela primeira vez e PERDEU a luta.  O "talento natural" que ela tem pra força foi muito esticado.
-Detestei  a idéia de o R2 estar em "animação suspensa" e depois acordar DO NADA com a resposta do problema NO MOMENTO CERTO. Isso é que eles chamam em escrita de EX MACHINA. Quando um problema de roteiro é resolvido magicamente e convenientemente por uma solução inesperada. Mais ou menos como as águias do Senhor dos Anéis. O bb8 tem um design legal e com certeza consegue percorrer terrenos irregulares bem melhor que o R2, mas ele foi só um "Pen Drive" nesse filme. R2 podia rackear computadores, soltar bomba de fumaça, Voar, o diabo a 4.
-Achei o desenvolvimento de Finn melhor que o de Rey, senti falta de saber afinal de contas o motivo pelo qual ela não queria sair daquele planeta de jeito nenhum, o que não foi explicado. Também senti falta de uma explicação pra o atual estado de instabilidade da galáxia,  já que quando deixamos o mundo, em "O retorno de Jedi", estava tudo acertado e organizado. Não é como no episódio 4, onde você já podia pular dentro de um mundo em conflito porque não sabíamos nada sobre ele. Agora sabemos tudo sobre esse mundo. Esse fato e outras questões me fizeram pensar que talvez J.J. quisesse colcoar algo de "O império Contra-ataca", nesse filme. O Império Contra ataca termina com tantas perguntas sem resposta como "O despertar da força". O EP. 4 na verdade, é bem fechado em si mesmo, deixa muito poucas pontas soltas. O filme quase que se resolve em si mesmo completamente. Não sabemos nada sobre o parentesco de Luke e Vader, até onde entendemos, o Império foi destruído, apesar de Darth Vader ter escapado. Parte do motivo de o Ep 04 ser tão fechado, é devido a dúvida que Lucas tinha se seria capaz de fazer os outros. No caso de "O despertar da Força", com a garantia de que os outros serão feitos, talvez o desfecho final seja apenas no episódio 9. Será decepcionante se descobrirmos que algumas das cenas de "O despertar da força" que detalhavam melhor essas questões, acabaram sendo cortadas na edição, e que vamos precisar de uma "versão estendida" pra entender isso tudo melhor.
Pro próximo filme espero que vejamos o treinamento de Rey, explicações mais detalhadas sobre o porquê do afastamento de Luke, e de onde surgiu a Primeira ordem.
E ai concordam, discordam? Deixem comentários!
Que a força esteja com vocês

DJ

2 comentários:

  1. Kylon Hen provavelmente não é um sith, nao existe só um lado sombrio da força. O fato da Rey conseguir dominar um sabre, justifica ela viver em um planeta tão perigoso, já sabia lutar bem e o Kylon Hen ta na cara de q é apenas um "padawan", o treinamento dele nem está completo tanto q o sabre de luz dele é mal feito, ele ainda não domina a arte jedi.

    ResponderExcluir
  2. Boa resenha, Diego! Eles deixaram sem resposta algumas coisas com certeza pra deixar a galera curiosa pelo próximo.

    ResponderExcluir